Boas vindas

Sejam bem vindos!

Este blog tem por objetivo prestar auxílio aos interessados em conhecer um pouco a respeito dessa área de estudo tão fascinante que é a Psicopedagogia, compreender como se dá a aprendizagem, bem como, as dificuldades encontradas durante esse processo. Além de sugestões e atividades para a intervenção Psicopedagógica e no Atendimento Educacional Especializado (sala de Recursos Multifuncionais).


10 de jul de 2010

O que é bullying ? Bullying nas escolas

Um assunto que atualmente tem tirado o sono de muitos pais e professores é o bullying. Apesar de não ter uma tradução exata para o português, seu significado está relacionado a atormentar, perseguir ou humilhar.
A princípio pode parecer brincadeira de criança ou de adolescente, mas este tipo de atitude pode causar sérios danos psicológicos.
O bullying é um tipo de agressão que pode ser física ou psicológica; ocorre repetidamente e intencionalmente, ridiculariza, humilha e intimida suas vítimas. Pode acontecer em qualquer contexto social, como escolas, universidades, famílias, entre vizinhos e em locais de trabalho. Outra modalidade é o cyberbullying, onde as ofensas e humilhações são feitas por e-mail, MSN e mensagens por celular.
É uma forma de exclusão social e as vítimas costumam ser mais retraídas e inseguras; por serem assim evitam pedir ajuda ou comunicar o fato a alguém, se sentindo desamparadas.
Geralmente os agressores são, ou tentam ser, líderes da turma, mais populares, aqueles que gostam de colocar apelidos nos colegas e da mesma forma que as vítimas, também precisam de auxílio psicológico.
Para evitar o bullying, as escolas devem investir em prevenção e estimular a discussão com todos envolvidos na situação escolar, ou seja, funcionários da escola em geral, incluindo pais e alunos.
Atualmente dou aula para uma turma de 5º ano e fiquei muito preocupada com as ofensas que ocorriam em sala de aula, não só apelidos preconceituosos como também palavrões. Minha primeira atitude foi conversar com a turma, para que compreendessem a gravidade do assunto e que a lição não era só em sala de aula, mas também deveria ser estendida para fora da escola.
“Para sermos respeitados, precisamos respeitar os outros, em qualquer situação”.
Em outro momento levei uma reportagem sobre o tema para explicar seu significado e mostrar histórias de algumas vítimas (o que chamou a atenção de todos). A intenção era não somente conscientizá-los para não cometerem o bullying, mas aprender como se defender, lembrando que retribuir com a mesma moeda não é a solução.

5 comentários:

  1. Cristiane,

    Estou cursando psicopedagogia e vou escrever um artigo sobre o bullying focando na ação psicopedagógica. Como você ver esse papel do pp quando uma situação de bullying já está ocorrendo no ambiente escolar??? Quais são as diretrizes e as providências que deverão ser tomadas????
    Gostaria muito de ouvir com um maior detalhamento sua opinião. Será de grande valia pra mim.

    Grata,
    marcia_cllo@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Resposta

    Olá Márcia! É um prazer poder dar minha opinião e espero poder auxiliá-la.
    É muito claro os danos causados pelo bullying, tanto para a vítima como para o praticante; nos dois casos são necessários tratamento e acompanhamento Psicológico, uma vez que a vítima pode ter um futuro cheio de medos, traumas e inseguranças e o praticante um futuro de marginalidade; pois apesar de parecer bobagem, o praticante de bullying de hoje poderá ser o agressor ou praticante de atos violentos de amanhã.
    E não precisamos ir muito longe, sabemos que o rendimento dos alunos que estão passando por esta situação diminui muito. Uma das características que pode auxiliar o professor a identificar o aluno que está sendo vítima de bullying é a diminuição de seu rendimento, com notas baixas e mudança de comportamento.
    O professor tem o importante papel de orientar seus alunos a respeito do bullying e aproveitar momentos como o da reunião de pais para orientá-los também. Caso esta situação já esteja acontecendo na escola, a Direção deve ser informada o mais rápido possível e deverá chamar os pais dos alunos para uma conversa.
    Como é um assunto que tem tirado o sono de muitos, é importante que o trabalho seja feito para orientar toda a comunidade. Uma sugestão é a de implantar a política anti-bullying nas escolas, envolvendo professores, funcionários, alunos e pais; sensibilizar, informar, conscientizar, mobilizar toda a comunidade, e o mais importante que é responsabilizar aquele que pratica o Bullying.
    O bullying é crime previsto no código penal, não por este termo, mas por outros como: ofensa à Integridade Física Simples/Grave, Art.º 143.º e 145.º do CP; Injúrias/Difamação, Art.º 180.º/ 181 CP; Ameaças, Art.º 153.º CP; Coação, 154.º CP. No entanto os menores de 16 anos são inimputáveis, (Art.º 19º CP), o que não quer dizer que não sejam responsabilizados pelos seus comportamentos, pois o crime cometido por um menor entre 12 e 16 anos, conduz à aplicação de uma medida tutelar educativa (Art.º 1.º da Lei Tutelar Educativa).
    Se você pesquisar encontrará vários abaixo-assinados para criação da lei anti-bullying. Inclusive na Paraíba essa lei já foi instaurada e a intenção é que seja estendida para todo território nacional.
    É muito importante que ao orientar os alunos estes entendam que o que fazem é crime e que podem pagar por ele, tanto as crianças ou adolescentes que cometem como seus responsáveis, uma vez que educação se dá em casa.

    Um livro interessante que pode te ajudar é o livro "Bullying: o que você precisa saber".

    Boa sorte!!!

    Profa. Cristiane Carminati Maricato
    Pedagoga/Psicopedagoga-1521841
    carminatimaricato.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. minha filha esta chegando na escola 15 min mais cedo que seu horario de entrada e uma funcionaria sempre grita com ela ameaçando de leva-la para a diretoria caso ela continue chegando antes,acontece que estou no meio do ano e com dificudades de contratar outro tranporte escolar...minha filha esta com medo de ir a escola,,,vive dizendo que tem muito medo dessa tia...e vive inventando dores para não ter que ir a escola...o que faço uma vez que ja levei isso ao conhecimento da direção da escola e nada foi feito a respeito do assunto?a funcionaria é tão estupida que gritou até com a pirueira da criança que foi defende-la achando que não era justo a criança ser humilhada perante todos por este motivo.....me oriente por favor

    ResponderExcluir
  4. Resposta
    Isso que você está comentando é muito sério!

    Apesar de ter conversado já com a Direção, esse é o caminho. Caso não tenha dado resultado é importante você mostrar que conhece as leis e que acima de tudo você e sua filha merecem respeito.


    Bom, meu conselho é o seguinte:

    Não vá direto para a Direção.
    Entre em contato por telefone dizendo que precisa marcar um horário, com urgência, para conversar sobre um assunto muito sério (normalmente quando são pegos desprevenidos acabam apenas prometendo algo para te dispensar logo e tudo fica do mesmo jeito).
    Agendado o horário vá até a escola para conversar e demonstre sempre calma e tranquilidade; nesta hora gritar e bater boca só piora e você perderá a razão.
    Conte novamente o fato (uma vez que eles já têm conhecimento) e explique que o que esta funcionária está fazendo é crime. Já que as crianças devem frequentar a escola com toda segurança e respeito de acordo com o ECA (Estatuto da criança e adolescente) artigos,4,5 e 53. Peça uma providência para já e explique para a Direção que eles estarão sendo coniventes com a funcionária se não tomarem uma providência. Não é necessário mandar a funcionária embora, mas uma conversa ou mudança de função ajuda.
    Seria interessante conversar com a Direção, mas também na presença da funcionária.
    Saia de lá com algo definido. Caso não resolva, não desanime e denuncie. Se for escola pública vá à secretaria da educação ou ligue para a ouvidoria (que parece resolver mais rapidamente).

    Infelizmente nos deparamos com pessoas infelizes que pensam que temos a obrigação de aturar sua amargura. Lute por seus direitos.

    Aguardo seu retorno para saber o resultado.

    Boa sorte!!!

    ResponderExcluir
  5. Vimos pelo presente, convidar V.Sa. para evento a ser realizado na sede do GABINETE JURÍDICO – Consultoria Empresarial e Treinamento Ltda., que debaterá com autoridades públicas, pedagogos, psicólogos e professores, um tema atual e relevante: BULLYING NAS ESCOLAS.

    Contamos com sua presença no nosso auditório.

    Data: 09 de dezembro de 2010.
    Horário: Das 17:00 horas até as 21:30 horas.
    Local: Rua Lord Cockrane n. 616, Auditório, Ipiranga, São Paulo – SP. Estacionamento no local.
    Tema: VENHA DEBATER O BULLYING NAS ESCOLAS
    Investimento: evento gratuito.
    Público alvo: advogados, jornalistas, pedagogos, sociólogos, psicólogos, empreendedores do ensino privado, Diretores de escola pública, professores da rede pública de ensino, professores da rede privada de ensino, público em geral.
    Limite de vagas: 60 pessoas. Necessidade de reservar vaga para comparecimento. Data limite da reserva, dia 07 de dezembro de 2010. Reserva pelos telefones : 2915-0853 ou 7300-1408, ou ainda 9944-4121. Fornecer quando da reserva: nome, endereço, telefone, email.
    Patrocinadores: GABINETE JURÍDICO – Consultoria Empresarial e Treinamento Ltda., Rua Lord Cockrane n. 616, conjunto 309, Ipiranga, São Paulo/SP, telefones: 2915-0853, celular comercial: 7300-1408; endereço eletrônico: contato@gabinetejuridico.com.br, site: www.gabinetejuridico.com.br - ALONSO, BARRETTO & CIA. – Auditores Independentes, Rua Agostinho Gomes n. 2675, Ipiranga, São Paulo/SP, telefone: 3255-8310, endereço eletrônico: alonso@alonso.com.br, site: www.alonso.com.br
    Pauta:
    17:00 horas – 17:30 horas – Apresentação do público no local do evento, cadastramento e retirada de crachá.
    17:30 horas - 17:45horas - Apresentação dos patrocinadores e dos membros da Mesa de Debates.
    17:45 horas – 18:00 horas – Apresentação do tema e colocação das questões para debate.
    18:00 horas - 19:30 horas - Início dos Debates.
    19:30 horas – 20:00 horas – Respostas às perguntas do Auditório
    20:00 horas – 20:30 horas – Adesão para a Associação em Defesa das Vítimas do Bullying e para Grupo de Estudos
    20:30 horas – 20:45 horas – Encerramento dos trabalhos.
    20:45 horas – 21:30 horas - Coquetel.

    ResponderExcluir